A inevitabilidade da vida

“vais po azeitetuga mano”